Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Chega de ódio

O ódio destrói os tecidos sociais

O ódio destrói os tecidos sociais

Resolveram, por causa da insatisfação com os resultados da última eleição, transformar o país em um caldeirão efervescente do ódio, da intolerância, de qualquer natureza, do racismo, da violência gratuita.

De um momento para outro, explode o ranço da raiva e alguns insatisfeitos passaram a rotular, insultar, agredir, até fisicamente, aqueles que não compartilham do fundamentalismo político que cultivam.

Para estes, não importa se famílias, amizades, ambientes de trabalho ou a boa vizinhança estejam sendo deteriorados pelo radicalismo do ódio, pelo clima pesado da rabugice praticada com fervor incessante.

Protestar, criticar, com civilidade, fazem parte do jogo democrático. Ninguém é obrigado a gostar daquilo que não o agrada, mas precisa respeitar a vontade da maioria.  Também faz parte, trabalhar para mudar o cenário que não concorda, dentro dos limites institucionais, preservando o espaço democrático em que as diferenças devem coexistir, mesmo quando competem muitas vezes, mas se respeitando mutuamente.

O que se testemunha neste momento turvado pela sanha fundamentalista é a intransigência perigosa, irresponsavelmente disseminada dos meios políticos para a sociedade, via mídia, sem filtros atenuantes, criando um nefasto círculo de histeria coletiva.

Presencia-se um incêndio social sendo alimentado com furor e as labaredas dessa insanidade logo poderão causar incidentes de extrema gravidade.

É urgente que estes propagadores da violência sejam isolados, no polo dos que se opõe ao governo. A situação, se agravada, aumentará e muito a tensão, nas ruas e nas relações sociais, podendo criar rusgas insuperáveis.

É preciso entender que estes momentos de acirramento político um dia se apaziguarão, mas uma geração inteira poderá levar mágoas e desentendimentos intransponíveis para o resto de suas vidas. Outra constatação histórica é que quem se arvora ao culto do ódio para derrotar, humilhar e agredir seus desafetos hoje, poderá ser alvo destes mesmos artifícios no futuro. A política é um organismo vivo e mutável.

Se o próprio governo, que deveria agir em própria defesa, nos casos de excessos de incivilidade, não o faz, como ficam as pessoas que não concordam com o clima de vale tudo que toma os espaços públicos e privados país afora?

Se as oposições políticas não são capazes de se portar civilizadamente na disputa do poder, como não se sentiriam estimulados, aqueles que excedem na liturgia colérica para permanecer agressivos/desrespeitosos com o que não aceitam respeitar?

O pior pode acontecer, a qualquer momento, a qualquer um nós.

O diálogo agora é um item compulsório.

Para salvarmo-nos é preciso dizer claramente: chega de ódio.

2 comentários em “Chega de ódio

  1. O pessoal tá com ódio é da Dilma ter enganado todo mundo e metido o país em uma mega crise econômica.

    Curtir

    • Cláudio Ribeiro
      06/07/2015

      Marcelo seu comentário revela exageros. Nem “todo mundo” odeia a Dilma, nem vivemos uma “mega crise econômica”… O ódio destrói, nada constrói. E quem se guia pelo ódio, não é referência para se chegar a lugar algum

      Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 03/07/2015 por em politica e marcado , , , , , , .

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: