Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Não basta ser coxinha, tem que envergonhar o país

Ilustração exprime muito bem os pensamentos e contradições coxinhas

Ilustração de Latuff exprime muito bem os pensamentos e contradições coxinhas

Um relato que demonstra porquê alguns brasileiros se consideram menos brasileiros que outros e para estes, isso significa algo bom!

“Vou falar com o Piloto! A repugnante elite dos aeroportos (e dos estádios e tudo mais…)”

Voltar ao Brasil para mim é sempre um pesadelo logístico. E acreditem, não porque eu tenho medo danado de avião, mas porque tenho que aguentar o comportamento de meus compatriotas nas filas de embarque.
Quem tem que viajar seguido, especialmente passando pelos aeroportos dos Estados Unidos e da Europa, tem uma bela amostra do pior espírito da pior classe média brasileira. Aquela mesma que manda a Presidenta tomar no cu, que chama rolezinho de arrastão e que acha que pobre negro tem mesmo é que ser espancado e amarrado em poste. Como bem descreveu Marilena Chauí, a classe média violenta, ignorante, fascista e arrogante.
Antes de prosseguir, apenas um lembrete a alguns leitores. Meu espelho me diz que eu sou branca e de classe média. Eu me refiro a um tipo bem específico, mas que infelizmente representa uma grande parte da população brasileira.
Refiro-me àquele grupo que vive pelo consumo e, por ser um consumidor, acredita estender sua lógica da comoditização ao campo da vida coletiva, sendo um ser detentor de direitos e privilégios individuais. Acima do bem e do mal, é claro. Esse ser “cordial” já foi demasiadamente explorado pela sociologia e antropologia: de Sérgio Buarque de Holanda à Roberto da Matta: personalista, patrimonialista, e todos os piores ISMOS que formam uma espécie única burguesa que, no senso estrito do termo, não é burguesa nem liberal, mas algo que mistura uma elite emergente com uma aristocracia falida. Também conhecida como, gente DIFERENCIADA. Algo que só pode acontecer em um país cuja burguesia não fez ainda a revolução burguesa, e é ainda dominado no congresso por uma bancada ruralista. Entre outras coisas bizarras advindas de um passado recente calcado na ditadura, na violência e na tortura, mas todos aplaudiam (e continuam aplaudindo) a seleção brasileira com lágrima nos olhos.
***
Aeroporto do Heathrow, Londres
Normas internacionais estabelecem padrões de tamanho e peso de mala de mão. Chega uma família com malas enormes e a senhora do check-in gentilmente explica que ela não pode embarcar com aquele tamanho todo. Ela explica que existe uma taxa a ser paga para despachar o excesso. A passageira explica que já gastou todo o limite de seu cartão de crédito e que não pode pagar. A funcionária diz, então, que ela terá que deixar as coisas de lado. Começa a lamentação: isso é um absurdo! A funcionária mantém-se calma, dizendo sinto muito, senhora. Depois, vieram os gritos: eu vou para a justiça, neste país as coisas se resolvem na justiça. Não é como no Brasil! Vou recuperar tudo na justiça, todos os meus perfumes. E ela tirava fotos das malas tamanho super plus dizendo que era uma prova para a justiça. Apontava para a minha mala de mão e dizia que a minha era maior (sim, porque não basta ser ignorante, tem que ser igualmente filha da puta). Eu, calmamente, tirei os fones do ouvido e disse: minha senhora, a minha mala de mão atende a padrões internacionais permitidos, e voltei a ouvir música. Muitos outros passageiros se comoveram com o assassinato dos perfumes e começaram a gritar: é um absurdo!  Aos berros e cercando a funcionária, eles massacraram-na.
Aeroporto de Lisboa. Conexão.
Um voo para Brasília atrasa. Começa a gritaria e aquela cena típica, na qual cada um grita para um lado, todo mundo quer ser ouvido, mas ninguém ouve o que o outro tem a dizer. Pessoas bem vestidas novamente cercam a funcionária que está apenas comunicando que o voo atrasou.
– Isso é um A-B-S-U-R-D-O! (como aquela fúria da coxinha de ossobuco…)
– Se fosse no Brasil, a gente entenderia, porque lá nada funciona. Mas na Europa?
– Moça, eu tenho um compromisso imperdível. E vou processar a companhia. Nunca mais voo por esta empresa!
A fila se desorganiza e todo mundo fala ao mesmo tempo com a funcionária. Ninguém age coletivamente, as pessoas apenas começam a dizer que o seu compromisso no Brasil é mais importante do que qualquer outra coisa. Os estrangeiros e os outros brasileiros que não pertencem à elite-coxa ficavam bravos, balançavam a cabeça, mas pareciam entender que era preciso, simplesmente, esperar. Não adiantava dizer que é amigo do rei, porque o avião não chegaria mais cedo por causa disso.
Entro na fila do voo para Porto Alegre e observo meus conterrâneos. Entramos todos numa salinha após o embarque. Quando a elite-coxa viu que entraríamos em um ônibus, e não direto na aeronave, começou mais uma gritaria desorganizada: e não é nem no Brasil! Pessoas visivelmente nervosas falavam sozinhas e faziam seus pequenos protestos anti-Brasil (ainda que o problema acontecesse em Portugal). É por isso que eu vou torcer contra o Brasil hoje, disse uma mulher. Ela continuava: não pode ganhar! Essa gente do bolsa família, cega, ignorante vai se encachaçar e esquecer dos problemas do Brasil. Ela vê um grupo de jovens ao meu lado e nos dirige a palavra de forma soberana: São vocês, jovens, que precisam mudar isso, vocês têm que ir para rua.
Já no ônibus que levava à aeronave, essa senhora teve a brilhante ideia de continuar a protestar no busão e começou a gritar “NÓS ESTAMOS INDO PARA UMA DITADURA COMUNISTA E NINGUÉM ESTÁ VENDO. NINGUÉM ESTÁ VENDO”. As sardinhas espremidas se identificaram e, então, cada um falava por si: é verdade, é verdade. Enquanto isso, eu pensava que não demoraria mais do que 40 segundos para eu sair correndo daquele veículo.
A mulher continuou: eu ia para as ruas para lutar contra a ditadura e agora são vocês que têm que ir, porque hoje é pior que a ditadura. É tudo pro pobre! (Eu: poxa deve ser por isso que o pobre não está viajando para a Europa e você está, porque realmente é muito difícil a vida da classe média). As pessoas começaram a falar, como de costume, cada um para um lado
Que se foda a seleção. Esse país é uma merda
Se eu pudesse eu não morava no Brasil.
Nem eu!
Nem eu!
Nem eu!
(Eu: Boa ideia! Isso! Vão embora, mas não voltem!)
Finalmente, a lata de sardinha se abriu e todo mundo começa a correr e a se atropelar para entrar na escada do avião. Um pisa por cima do outro, como se os assentos não fossem marcados. Afinal, trata-se de gente muito phyna.
Meu lugar é o último da fileira de um compartimento do avião. Do meu lado, senta um casal, que reclamou que seus assentos reclinavam menos que os dos outros. O avião estava lotado. Chamam a comissária, e eu: não! chega por hoje! O marido disse: Meu assento blá blá blá e isso e aquilo. E a funcionária gentilmente explica que era apenas impressão, pois o assento reclinava igual aos outros. Daí o passageiro super-prejudicado larga a máxima: Eu vou reclamar com o piloto! Nesse momento, eu pensei que era uma pena eu não ter um Boa Noite Cinderela para aguentar as próximas 12 horas. E o diabo ainda roncava como um porco. Mas isso é outra história.
Aeroporto Salgado Filho, Porto Alegre. 05 de julho de 2014 – precisamente às 18h45min.
Todos perguntam quanto está o jogo do Brasil enquanto aguardam as (muitas) malas. O jogo acaba. O Brasil venceu. Todos começaram a aplaudir, assobiar e a se abraçar. Todos, inclusive a galera da sardinha.
Brasil, ame-o, odeie-o e (finja que) deixe-o.

Rosana Pinheiro Machado

Anúncios

Um comentário em “Não basta ser coxinha, tem que envergonhar o país

  1. joyce
    08/02/2015

    Seu texto é brilhante parabéns!
    É esses mesmos coxinhas mal educados que odeiam o norte e nordeste.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/07/2014 por em politica e marcado , , , , .

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.452 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: