Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Fim da impunidade? A pauta demagógica da mídia

Dom Mauro Morelli, bispo emérito de Duque de Caxias, censura a euforia da direita com as prisões de Dirceu e Genoíno e pede cautela com os sinais da Justiça

Dom Mauro Morelli, bispo emérito de Duque de Caxias, censura a euforia da direita com as prisões de Dirceu e Genoíno e pede cautela ao povo com os sinais emitidos pela, historicamente, elitista justiça brasileira

A revista Veja, contumaz crítica do PT e de suas lideranças, comemorou as prisões de José Genoíno e José Dirceu como sendo o desfecho esperado para “o maior caso de corrupção da história do Brasil”.

Quem acredita nisso, em sã consciência, após um minuto de reflexão sobre fatos tenebrosos de nossa vida pública?

Demagogia e hipocrisia para fazer colar um rótulo e marcar um partido político e seus integrantes, daqui por diante.

E não é só a Veja quem proclama tal disparate… A fina flor do império da mídia, Globo, Folha de São Paulo e Estadão, cantarolam, diariamente, este refrão bem ensaiado.  O STF virou palco de um folhetim midiático, parcial e desequilibrado em favor dos acusadores. A justiça não pode prevalecer sobre pressões, com espadas no pescoço.

Joaquim Barbosa foi elevado ao cargo de proclamador da República, já proclamada há mais de um século, por expedir pedidos de prisões no feriado nacional, atropelando os direitos dos condenados e sem informar o regime  de prisão a Polícia Federal, propositalmente para simbolizar algo que, supostamente, suas ambições políticas poderão revelar ao grande público.

O presidente do STF, louvado pelas redações mais conservadoras e impopulares de nosso país, é descrito como aquele que inaugura um virtuoso período de fim da impunidade e da corrupção… Pretensão extrapolada, que só funciona até que se complete aquele um minuto de reflexão sobre os fatos excepcionais deste julgamento e sobre outros casos de malfeitos que assombram o povo brasileiro e que são, despudoradamente, desleixados em gavetas profundas de supremos gabinetes.

Então quer dizer que a justiça foi feita? Seletivamente, pode-se dizer que sim. Mas ficam outras importantes questões, que a imprensa releva, o Judiciário protela e a opinião pública pouco é informada:

  • O caso das propinas do governo tucano de São Paulo, denunciadas pela alemã Siemens, investigada pela justiça suíça e reproduzidas com riquezas de detalhes pela revista Isto É?
  • A lista de Furnas que beneficiou políticos de diversos partidos, com o uso de dinheiro público para abastecer campanhas, especialmente de figurões do PSDB, como Aécio Neves?
  • A Operação Satiagraha que investigou evasão fiscal bilionária e prendeu um poderoso banqueiro, Daniel Dantas, solto, benevolentemente, por duas vezes em menos de 48 horas pelo ministro Gilmar Mendes?
  • A sonegação fiscal milionária da Globo, com cifras superiores a R$600 milhões, em que um processo sumiu, inexplicavelmente, da Receita Federal para beneficiar a emissora carioca?
  • Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, um dos principais envolvidos no escândalo conhecido como “Mensalão do DEM” segue livre, leve e solto e nem figura mais nas páginas amigas da imprensa?
  • O que dizer do escândalo do envolvimento de um bicheiro, Carlinhos Cachoeira, com um senador do DEM, Demóstenes Torres, um governador tucano, Marconi Perillo e o editor da Veja, Policarpo Junior, em um esquema criminoso de proteção aos interesses de um contraventor no Congresso e fabricação de dossiês para intimidar adversários políticos?
  • A compra da reeleição de FHC, em 1996, na metade de seu primeiro mandato, para que passasse a valer para seu próprio proveito em 1998? As denúncias, hoje esquecidas e “arquivadas”, davam conta de um pagamento de R$200 mil em propina para cada deputado votasse a favor da emenda constitucional.
  • O maior crime lesa pátria, as privatizações do governo FHC, em que foi entregue o patrimônio público brasileiro ao capital internacional a custa de dinheiro podre, com financiamento do BNDES? Suspeita-se de evasão de divisas, informação privilegiada e corrupção ativa e passiva.
  • As concessões de habeas corpus para ricos e poderosos por parte de ministros do STF, em finais de semana ou feriadões, deixarão de existir?

Mais algumas, de ordem filosófica: a Justiça no Brasil passou a ser, desde o dia 15 de novembro de 2013, um espaço de práticas isonômicas, perante a Lei, entre ricos e pobres?

A Justiça brasileira deixará de ser benigna para aqueles que possuem fartos recursos econômicos e menos maligna para aqueles que são entregues, sem amparos mínimos de seus direitos constitucionais, a própria sorte?

Ricos e pobres terão a mesma possibilidade de fazer seus direitos em tribunais, sem que sejam considerados seus estratos bancários ou sociais, doravante?

Se todas as perguntas acima pudessem ser respondidas positivamente, poderia também entrar neste “carnaval, fora de época, do fim da impunidade” ou “na alegoria de uma Justiça mais ‘justa'”.

A verdade passa longe disso, inegavelmente, o embate é político, não jurídico, pois as enormes falhas processuais levarão, a uma inevitável revisão deste processo em algum momento, desmoralizando o Judiciário brasileiro mais ainda.

Mas, passados 60 segundos de consideração, saberemos que a comemoração que se faz na mídia com a prisão dos chamados “mensaleiros” tem motivação política, pois omite os paradoxos da justiça brasileira.  As elites e os que pensam fazer parte deste grupo social, são movidos pelo ódio de classe e pela revanche, já que não são capazes de conseguir, democraticamente vencer através dos votos.

O Judiciário permanece e permanecerá, infelizmente para os iludidos pela efusiva pauta da mídia, um poder que promove a desigualdade, abriga corruptos em seus quadros de comando e se presta a ser subserviente às elites econômicas e políticas do Brasil.  Pobres continuarão sendo presos com rigor máxima da lei e ricos absolvidos ou soltos com pedidos de desculpas dos juízes.

A grande mídia seguirá especulando sobre o caso, mas tirando os holofotes sobre outros escândalos de corrupção, que envolvem bilhões de reais, como alguns citados no início desta postagem, propagando uma ideia, incompleta e parcial, à opinião pública de que o dever foi cumprido, a “República agora é outra”, esqueça-se o resto…

Barbosa deveria completar sua obra política, renunciando ao STF e lançando-se candidato em 2014, desta forma tornaria mais fácil para todos perceberem as costuras, de bastidores, que levaram um presidente da mais alta corte do país a atropelar o direito de ampla defesa dos réus, a pautar-se pela mídia e desrespeitar alguns de seus colegas com imensa prepotência e autoritarismo.

Anúncios

13 comentários em “Fim da impunidade? A pauta demagógica da mídia

  1. Uma coisa é certa! Precisamos dar um Norte para nossas manifestações, ajudando o povo a ser organizar. Não vejo ninguém fazendo isso. E olha que diplomados em ciências Humanas, Políticas e correlatos não faltam. Será que nós simples desdiplomados ou “Deformados pela Dificuldade de Ciências Ocultas e Letras Apagadas” teremos que faze-lo? O Sistema Jurídico Legal deveria fazer um estágio na Engenharia! Quando se encomenda uma Ponte (por exemplo), faz-se um anteprojeto, um projeto executivo e posteriormente à construção, um “as built”. E o que se segue? Na encomenda de outra Ponte fazemos tudo de novo, não, usamos o “como construído” como ponto de partida. Os nossos códigos legais, principalmente o nefasto Código Penal é jurássico, mas a Receita Federal se modifica diariamente para arrecadar mais! Onde está a Justiça?

    Curtir

  2. Resumindo, esse Bispo defende escrachadamente os mensaleiros! Criticar o STF eu até critico, pois acho que ele foi moderado até demais. Petralha, bandidos e quadrilheiros que não pagarão nem 10% do que deveriam pagar!

    Curtir

  3. Precisamos deixar de discutir os problemas do Brasil questionando “direita” e “esquerda”. Nada é absoluto, tudo é relativo. Podemos ter esquerdistas e direitistas bons. Vamos julga-los pelas suas ações! Algumas instituições tem gente boa como maioria, mas outras invertem isso. O PT é um bom exemplo dessa inversão. Como tem vagabundo neste Partido!

    Curtir

  4. Desde quando Líderes Religiosos podem criticar demagogia e hipocrisia. As religiões são plenas disso!

    Curtir

  5. Alec Candia
    23/11/2013

    Não creio em perseguição política. A ideia de ser um preso político o ex-líder do próprio partido que está no poder é no mínimo insana. Além do mais, 8 dos 11 magistrados que participaram do julgamento foram indicados também pelo partido do Genuíno. O problema é que o PT tem como pedra no sapato o PSDB, já o povo tem como problema a corrupção e precisa, deseja e quer ver a justiça sendo feita.

    Curtir

    • diversaspalavras
      23/11/2013

      Alec, Na verdade o governo não indica ministros do STF,mas recebe uma lista tríplice e escolhe um deles e encaminha ap Senado para ser sabatinado e aprovado pelo plenário da casa, como manda a Constituição.

      Curtir

  6. eduardo
    22/11/2013

    Vc acredita mesmo nas besteiras que escreve, ou só vomita pelos dedos?

    Curtir

    • diversaspalavras
      22/11/2013

      Obrigado pela audiência. Apesar da falta de argumentos e civilidade, aceitamos todos os comentários.

      Curtir

      • Regina
        23/11/2013

        Continue vomitando pelos dedos PD! Quero aprender a vomitar assim…

        Curtir

  7. Pingback: Fim da impunidade? A pauta da demagógica da mídia « EVS NOTÍCIAS.

  8. Pingback: Fim da impunidade? A pauta da demagógica da mídia | O LADO ESCURO DA LUA

  9. Pingback: Fim da impunidade? A pauta da demagógica...

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: