Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Trensalão Tucano e o “esquecimento” providencial

Justiça suíça avisou procurador De Grandis que, esquecido, deixou passar prazos por que guardou documentos em uma gaveta errada... Revista Isto É furou o bloqueio pelo agente do MPF e chegou a fatos estarrecedores

Justiça suíça avisou procurador De Grandis que, “esquecido”, perdeu prazos por que guardou “documentos em uma gaveta errada”… Revista Isto É furou o bloqueio feito pelo agente do MPF e setores da grande imprensa e apurou fatos estarrecedores de corrupção na gestão tucana de São paulo

O que dizem para você, leitor, através dos meios de comunicação como sendo uma verdade absoluta, inquestionável ideia de razão e inteligência a ser defendida por todos, pode, e muitas vezes são, ser meras peça fantasiosa para convencê-lo a aderir a interesses de outrem, não os seus, verdadeiramente.

Pois bem, durante as manifestações de junho a grande imprensa propagou que as pessoas também saíram as ruas pela derrubada da PEC-37, a chamada “PEC da impunidade”, aquela que garantia a primazia das investigações por parte da Polícia Federal, e que, supostamente, alijava o Ministério Público do encalço dos investigados.

Com o “imortal” Merval Pereira na ponta de lança, agregou-se a pauta das ruas um tema até então desconhecido pela maioria, porém distorcido na veiculação midiática hegemônica, justamente para proteger interesses…

Com a descoberta recente de que um Procurador da República, Rodrigo de Grandis, “esqueceu” em sua gaveta pedido de investigação por parte da justiça suíça para apurar desvios e subornos dó caso Alstom e Siemens, mais conhecida como “trensalão tucano”, desmonta a tese que culminou com a derrubada da PEC-37.

Este esquecimento gerou prejuízo à sociedade brasileira e às centenas de milhões de reais desviadas durante 18 anos de governos do PSDB, ficarão impunes, por conta de um mero “esquecimento” do digníssimo procurador?

Procuradores também são passíveis de erros, de sofrerem pressões políticas, ou de praticarem ilícitos, como qualquer outro ser humano.  Procuradores não são deuses, nem o Ministério Público é o Olimpo da Justiça, logo o “imortal’ colunista global vendeu gato por lebre aos seus leitores… Ou teria agido, previamente, fazendo uma apologia apaixonada contra a PEC-37, na CBN ou nas páginas de O Globo, com o forte intuito de evitar danos legais e políticos maiores aos aliados tucanos no futuro, que agora se apresenta.

Não é a lei que impede a ocorrência de um crime, pois não há falta delas.

A certeza de impunidade, principalmente para aqueles que se acomodam em setores do Judiciário, com apoio da grande imprensa e de políticos poderosos, é o que, provavelmente,  moveu este procurador em uma ocorrência de um fato, no mínimo estranho, para não dizer altamente suspeito.

Segundo o que foi publicado pelo site Consultor Jurídico, esta não é a primeira vez que De Grandis  não coopera para fazer avançar uma investigação:

“O arquivamento de parte do inquérito que investiga os negócios da companhia francesa Alstom no Brasil não é o primeiro exemplo de falta de cooperação do procurador da República Rodrigo De Grandis com uma investigação. Sentença judicial e o advogado Renê Ariel Dotti apontam o procurador como um dos responsáveis pela falta de conclusão das apurações sobre as ilegalidades da famigerada operação satiagraha, que hoje aguarda julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.

A desistência de parte do inquérito no caso Alstom foi noticiada pela Folha de S.Paulo no dia 26 de outubro. O motivo foi que, mesmo depois de intimado, o Ministério Público Federal em São Paulo não prestou as informações pedidas pelo Ministério Público da Suíça. Rodrigo De Grandis (foto), responsável pelas apurações no Brasil, disse ter havido “falha técnica”: os documentos teriam sido catalogados na gaveta errada.

Já no caso da satiagraha, além de documentos engavetados, houve ainda falta de ação e ações pela metade por parte do procurador, que é acusado de tomar depoimentos e não incluí-los no processo.

A satiagraha é a mais célebre megaoperação da Polícia Federal. Investigou crimes financeiros supostamente cometidos pelo banco de investimentos Opportunity e seus donos, Daniel Dantas e Dório Ferman.”

A derrubada da PEC-37 não evitou que um agente da lei “esquecesse” em suas gavetas denúncias de centenas de milhões de reais contra políticos que comandam o estado mais rico do Brasil há quase 20 anos, entre três ex-candidatos a presidência da república, Alckmin, Serra e Covas, este último já falecido.

Possivelmente não impede ou impedirá que surjam outros fatos graves como este.

Este caso indica que aqueles que foram beneficiados no caso do “trensalão tucano” já sabiam que a investigação não prosperaria.

O ministério Público Federal divulgou nota condenando o “esquecimento” do “gaveta profunda”, De Grandis, mas falhou ao dizer que“O texto é cauteloso. Aponta erro humano e sinaliza que novas providências relacionadas ao caso poderão ser tomadas. Especialmente porque, se ficasse comprovada a prevaricação, De Grandis poderia ser punido pelo Conselho Nacional do Ministério Público.”

O mais indicado para o momento seria substituir uma palavra do texto, trocar o “poderão” no trecho a seguir por “novas providencias relacionadas ao caso deverão ser tomadas”.

Os fortes indícios de prática de ilícito obrigam uma posição mais contundente por parte do MP e de repúdio da sociedade. Aguardar que a grande imprensa condene e investigue com profundidade, pode esbarrar em sua já indisfarçável parcialidade…

Anúncios

4 comentários em “Trensalão Tucano e o “esquecimento” providencial

  1. florencio1
    21/03/2014

    Republicou isso em Florencio1's Blog.

    Curtir

  2. Pingback: “Choque de gestão” tucano gerou o racionamento de água em SP | Luizmuller's Blog

  3. Pingback: “Choque de gestão” tucano gerou o racionamento de água em SP | Palavras Diversas

  4. J.ALBERGARIA.
    31/10/2013

    CONSEGUIRAM ENGANAR O POVO. ESQUECIMENTO DO DE GRANDIS É A PROVA DO INTERESSE ESCUSO DA DIREITONA.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.452 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: