Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

PM reprime professores municipais do Rio

Enorme aparato policial foi montado para reprimir professores municipais em greve no Rio de Janeiro

Enorme aparato policial foi montado para reprimir professores municipais em greve no Rio de Janeiro

Algumas palavrinhas: A prolongada greve dos profissionais de ensino da capital e do estado do Rio de Janeiro, demonstram a inabilidade do governador e do prefeito, para pôr fim a um movimento justo, apresentando uma proposta decente de reajuste salarial e condições mais dignas de trabalho.

Pelo contrário, tentam conter, pela violência policial desenfreada, servidores que se dedicam a educar adultos, jovens e crianças.

Cabral e Paes tem apostado em uma forte ofensiva midiática, com presença constantes de seus secretários nas bancadas dos jornalísticos locais da Globo para confundir a opinião pública e culpar professores pelos transtornos causados a população pela continuidade da greve.

Um exemplo negativo: apesar do Rio de Janeiro ser a segunda maior economia do Brasil e ser o maior produtor de petróleo do país, segundo o IDEB, Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, de 2011, o estado ocupava apenas a 17ª posição no ensino fundamental e 16ª no ensino médio.

A impressão que passa é que o governador Cabral perdeu o controle da segurança pública do estado e cedeu espaço para defensores do uso da repressão violenta como forma primordial de resolver impasses.

Confira matéria da Brasil de Fato:

Professores são reprimidos pela PM durante manifestação em frente à Câmara do Rio

Nesta terça-feira (1º), o policiamento foi reforçado para impedir os servidores de se aproximarem do prédio, onde ocorrerá a votação do Plano de Cargos e Remuneração

Professores em greve realizaram durante toda a segunda-feira (30) uma manifestação em torno do prédio da Câmara Municipal do Rio, na Cinelândia. O protesto começou nas primeiras horas da manhã, com representantes do magistério chegando em grande número para apoiar um grupo que estava acampado do lado de fora do Palácio Pedro Ernesto, desde que foram expulsos com violência do plenário da Câmara pela Polícia Militar (PM) na noite de sábado (28).

A manifestação seguia sem tumulto, até que a Tropa de Choque resolveu, por volta das 21 horas, dispersar os black blocs que participavam do protesto em apoio aos professores. Oito pessoas foram detidas e pelo menos outras seis ficaram feridas. Fotógrafos registraram o momento em que um jovem foi agredido com golpes de cassetetes por três policiais.

Segundo a PM, o cerco aos professores acampados ao lado da Câmara foi ordem do presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB). O deputado Gilberto Palmares (PT) criticou a decisão de isolar os manifestantes e ajudou a negociar a diminuição do efetivo policial durante o dia. “Embora a greve seja do âmbito municipal, não podemos fechar os olhos, pois todos lutamos por uma educação melhor, seja para a cidade do Rio, seja para o nosso estado”, disse Palmares.

Na manhã desta terça-feira (1º), o policiamento nas ruas do entorno da Câmara do Rio foi reforçado. Mais de 20 carros do Batalhão de Choque estavam estacionados atrás da Câmara por volta das 6h30. Grades foram colocadas nas ruas próximas da Câmara e pessoas que passam pelo local são abordadas pelos policiais.

Plano de Cargos e Remunerações

A manifestação de segunda-feira teve como objetivo pedir o cancelamento imediato do Plano de Cargos e Remunerações enviado pela Prefeitura aos vereadores. A votação do projeto está marcada para esta terça-feira (1º).

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, e a secretária municipal de Educação, Claudia Costin, participaram de um chat (sala de bate-papo) pela internet, das 20h às 22h, quando responderam a mais de 40 perguntas enviadas por professores. Ele abriu a conversa fazendo uma defesa do plano de carreira do magistério, reafirmando que a prefeitura cumpriu a sua parte nos três acordos firmados com o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) desde o início da greve, em 8 de agosto. No entanto, os servidores da Educação argumentam que o projeto foi elaborado sem a participação da categoria, e por isso não contempla as reivindicações do setor. (com informações da Agência Brasil)

Brasil de Fato

Anúncios

Um comentário em “PM reprime professores municipais do Rio

  1. João guilherme
    06/10/2013

    Sei e sou solidário a luta dessa categoria impar da sociedade.Uma coisa que não entendo,sei que pode estar certo ou errado,mas não assinaram um acordo com com o governo? Quem faz a passeata reivindicatória também não se responsabiliza por sua segurança,embora a turma do quanto pior melhor se aproveita para fazer baderna mesmo,mesmo que houvesse uma vigilância do SEPE.Mas quanto aos alunos e mães de aluno qual seria a alternativa para que os alunos não perca tanto,partindo do SEPE?

    Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.452 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: