Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

O plebiscito em frases: tirem suas próprias conclusões

FHC já propôs, aos seus peculiares termos,  uma reforma política em 1998.  Aécio não tem posição firme sobre... Mas o fato é que são contrários a consulta popular sobre a reforma política.

FHC já propôs, aos seus peculiares termos, uma reforma política em 1998. Aécio não tem posição firme sobre… Mas o fato é que ambos são contrários a realização de uma consulta popular sobre a reforma política.

A proposta de Dilma para a realização de um plebiscito sobre a reforma política sofreu duros ataques de políticos da oposição e também foi defendida por sua base de apoio.  O presidente do STF, Joaquim Barbosa, considera que o povo precisa ser ouvido diretamente e que o sistema político atual está esgotado e não responde aos anseios populares. Luis Roberto Barroso, ministro do STF, acredita que a hora é agora e o país não pode mais esperar.  Aécio Neves considerou perigoso consultar a voz das ruas, já Serra achou fora da realidade…

Confira abaixo frases de alguns personagens políticos a respeito da proposta de Dilma de ouvir o que o povo pensa, diretamente, a respeito deste tema.

Joaquim Barbosa, presidente do STF, ao defender a participação popular e o plebiscito proposto por Dilma: “O que temos que ter é a consciência clara de que há necessidade no Brasil de incluir o povo nas discussões sobre reformas. O Brasil está cansado de reformas de cúpula.”

José Serra, ex candidato a presidência da República pelo PSDB: “completamente fora da realidade…Isso não é coisa, me desculpe, para presidente da República fazer”

Luís Roberto Barroso, ministro do STF: “Se pudermos aproveitar este momento e esta energia contestatória para conduzir uma reforma política teremos [como] transformar o limão em uma limonada”.

Aloízio Mercadante, Ministro da Educação e interlocutor do governo: “O que nós queremos é fazer a reforma política com participação popular. O instrumento que temos que viabiliza o entendimento é o plebiscito, é o povo participar e votar”.

Aécio neves, senador e presidente do PSDB, condena o plebiscito: “Me parece muito mais a intenção de, mais uma vez, abster-se de suas responsabilidades e transferi-las ao Congresso Nacional. Me parece desnecessária, juridicamente duvidosa e perigosa essa iniciativa.” 

Marcos Vinícius Furtado, presidente da OAB: “A população tem que dizer diretamente qual é a reforma política que ela quer, e não um plebiscito para chamar uma Constituinte, para delegar a um outro Poder a aprovação da reforma política”.

Jorge Vianna, vice presidente do Senado: “A hora é de uma reforma política radical…Não fizemos aquilo que diz respeito apenas do Congresso: a reforma política. A iniciativa é nossa”.

Álvaro Dias, Senador tucano e contrário ao plebiscito: “Ela anuncia a reforma política com outro viés, na esteira do sistema bolivariano, que significa certa ameaça autoritária, que autoriza a supor a hipótese do golpe para superar um impasse”.

José Cardozo, Ministro da Justiça: “Achamos fundamental que a reforma política passe por um processo de ampla discussão com a sociedade. E o plebiscito tem o papel muito importante para que essa reforma ocorra”.

FHC, ex-presidente ao atacar a realização de uma consulta popular: “As declarações da presidente são inespecíficas e arriscadas, pois, para alterar a Constituição, ela própria prevê como. Mudá-la por plebiscito é mais próprio de regimes autoritários”.

O curioso é que, até alguns dias atrás a oposição bradava contra o governo por não estar ouvindo as vozes descontentes que ecoam pelo Brasil afora, mas quando há uma proposta concreta para realização de um plebiscito sobre a reforma política, estes mesmos senhores voltam atrás em suas declarações e chegam a achar perigosa a realização de uma consulta direta sobre assunto tão delicado para a classe política.

O contexto é preocupante: as manifestações nas ruas da Europa e do Brasil clamam por mais participação do povo nas decisões. O governo propôs a consulta a sociedade sobre a realização de uma ampla reforma política, mais eis que surgem marotos políticos contrários a ideia, com a ajuda da Globo…

Tirem suas próprias conclusões.

Anúncios

4 comentários em “O plebiscito em frases: tirem suas próprias conclusões

  1. Pingback: A reforma política é a lição que Cunha e sua turma merecem | Palavras Diversas

  2. Pingback: O que o povo quer [III]: plebiscito da reforma política [e apoio à Dilma] | Blog Palavras Diversas

  3. Maria Regina de Sá
    26/06/2013

    Cada político da oposição infelizmente não entendeu o clamor das ruas. Usam da infame proteção de uma mídia que precisa ser freada. Pensam em desestabilizar lançando toda espécie de mentiras para se equilibrarem no seu status quo. A insensatez desta oposição covarde mostra bem o que querem e isto não é uma solução para o Brasil

    Curtir

  4. Esdras Pereira Alves Neto
    26/06/2013

    Esses contrários a reforma política são um bando canalhas e covardes, pois estão com o “rabo preso”, pelas suas mas administrações devido serem corruptos e desonestos e assim sendo morrem de medo do povo de fazer uma reforma política ampla e irrestrita que poderá com isso condená-los e de fato irem para a cadeia, mas eu tenho a plena certeza e confiança que a justiça vencerá.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: