Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Cândido Mendes sugere que Dilma taxe grandes fortunas para distribuir mais renda

Dilma e Sean Penn, unidos pela reconstrução do Haiti, simbolismo do recente protagonismo diplomático brasileiro

Dilma e o sucesso sem surpresas

Registra o país 59% de apoio, entre ótimo e bom, do governo Dilma. Sua crescente estabilidade foge das expectativas clássicas e da esperança das oposições, como alternativa de chegada ao Planalto. Essa dominante de opinião pública não se chocou com as derrubadas ministeriais, tal como, no passado recente, passou em branco pelo mensalão. É o que só aumentou a desarticulação do chamado “país do tudo bem”, habituado ao quadro do velho status quo, entre as condenações moralistas do situacionismo e, após, de quem lhes tomasse o poder.

Esta toada pendular seria o cantochão da mudança, ora tão frontalmente desmontada pelo país de Dilma. Aí está o esfacelamento do DEM e o choque do PSD histórico, nas nossas áreas mais afluentes. O que se depara é que o aumento da classe média nasce, agora, de um afluxo direto da antiga marginalidade social no mercado de trabalho e da consciência dessa ascensão. É tão irreversível quanto desmediada pelos antigos grupos instalados, e se esquiva nessa frontal rejeição do moralismo udenista do último meio século. E Kassab chega tarde nesta nova arregimentação política, em franca e acelerada expansão. A quem vender esse diferencial, na mobilização nacional em torno do governo, numa mesma tônica, em todo o país?

Neste verdadeiro plebiscito da opinião pública emergente, o regime está aberto para mudanças institucionais mais fundas de Dilma, ampliando a redistribuição de renda, de vez, pela imposição das grandes fortunas – no exemplo que já lhe dará a iniciativa americana, no próprio cerne de seu capitalismo vulnerado –, bem como o avanço do desenvolvimento social, no privilégio orçamentário já outorgado à área de saúde, a sinalizar iniciativas do mesmo tipo na habitação e no ensino.

Tais expectativas se ampliam com a exclusão do programa Minha Casa, Minha Vida, bem como do PAD, do corte orçamentário de 60 bilhões. O superávit primário de 5,1% não permitirá o aumento do PIB em 6% neste ano, mas facilmente em 2013. O que se fazia, ainda, de maneira ancilar, no governo Lula, avulta, hoje: o controle sobre as comissões e rateios municipais que propicia, na Carta pré-desenvolvimentista do doutor Ulysses, a entrega aos estados e municípios desta alavanca da mudança brasileira. Mas até onde esta consciência vai, de vez, além do petismo, em favor do “povo de Lula”, e ao despertar de suas novas e esperadas lideranças nas eleições deste ano?

Candido Mendes / JB on line
Anúncios

Um comentário em “Cândido Mendes sugere que Dilma taxe grandes fortunas para distribuir mais renda

  1. Carlos souto
    18/09/2015

    Isso e pura contra informação isso e só pra q intende . sem medo de errar este e patrocinado pelo p trambiqueiros

    Curtir

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 04/02/2012 por em dilma rousseff.

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.452 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: