Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Para Imprensa acampados da USP eram vândalos e Alckmin a vítima

Tucanos de São Paulo usam sua principal arma para resolver crises: o emprego da força bruta
A diferença no trato da imprensa a fatos com idênticas maneiras de manifestação foi gritante ao veicular a desocupação violenta da reitoria da USP:  Enquanto no exterior os estudantes são mostrados como heróis por enfrentar governos (e os são, em geral), em uma matreira forma de incitar movimentos desta natureza no Brasil, em São Paulo são tratados, simplesmente, como vândalos…
A mesma imprensa que, diversas vezes, cobrou ( e até inflou) dos estudantes organizados manifestações contra o governo federal, censura e omite a sociedade o que os universitários da USP tem a dizer e porque estavam acampados na reitoria, oprimidos pela polícia de Alckmin e transformados em bandidos pelo noticiário da mídia, capitularam na batalha da falta de diálogo e do uso de força desproporcional do estado mais rico do país.
Será porque o governo paulista é aliado (e arrimo) da imprensa conservadora e merece ser blindado?
A Rede Brasil Atual publicou matéria em que os alunos da USP denunciam que a polícia de São Paulo teria montado cena de destruição para justificar, junto a opinião pública, a força utilizada contra estudantes.
Confira:

Estudantes detidos na USP passam dia em ônibus e acusam PM de fabricar cena de destruição

São Paulo – Os estudantes detidos no início da manhã desta terça-feira (8) no prédio da Reitoria da Universidade de São Paulo (USP) afirmam haver passado o dia fechados em ônibus no estacionamento do 91º Distrito Policial, na zona oeste da capital paulista. Às 18h30, mais de 12 horas após a ação policial, eles ainda não tinham informações sobre a hora em que seriam liberados após prestarem depoimento e se submeterem a exame de corpo de delito.

Entidades sindicais coletaram verbas para arcar com a fiança dos 73 alunos, fixada em R$ 545 cada um. À noite, várias unidades realizavam assembleias para definir como será organizada a reação à atitude da Polícia Militar, que entrou no campus no fim da madrugada para cumprir a ordem de desocupação emitida pela juíza Ana Paula Sampaio de Queiroz.

Os estudantes divergem da versão emitida pela Tropa de Choque sobre a ação. “Tinha uma comissão de segurança nossa. Essa comissão avisou, mas aí a polícia já tinha entrado por todos os lados. A gente não resistiu”, conta um estudante do curso de Letras. “Isso revela ainda mais a agressividade deles.”

Os alunos detidos emitiram um comunicado no qual informam que as 24 meninas que participavam da ocupação da Reitoria da USP foram levadas a uma sala na qual ficaram sozinhas com policiais masculinos armados. “Levaram uma das estudantes para a sala ao lado, que gritou durante trinta minutos, levando-nos ao desespero ao ouvir gritos como o das torturas que ainda seguem impunes em nosso país. Tudo isso demonstra o verdadeiro caráter e o papel do convênio entre a USP e a polícia militar”, acrescenta a nota.

A ocupação teve início como protesto pelo convênio firmado em setembro entre o atual reitor, João Grandino Rodas, e a Polícia Militar, que antes só atuava no campus se chamada pela direção universitária. Nos últimos meses, queixam-se os estudantes, foram realizados vários “enquadros” por motivo banal ou por desconfiança dos policiais. Há menos de um mês, três rapazes foram detidos pelos policiais quando fumavam um cigarro de maconha, o que desencadeou manifestações que passaram a ser reprimidas com o uso de gás lacrimogêneo e bombas ditas de efeito moral e que, por fim, levaram à ocupação. “O ambiente universitário não é um território livre e não deve ser espaço para alunos fazerem uso de maconha, mas a abordagem para problemas dessa natureza está longe de ser a adequada”, defendeu o professor Vladimir Safatle, do curso de filosofia, em artigo publicado na página do Diretório Central dos Estudantes (DCE). “Mais uma vez, a PM demonstra sua total inaptidão para mediar conflitos sociais e manifestações estudantis.”

O jurista Wálter Fanganiello Maierovitch, colunista da revista Carta Capital e da página Terra Magazine, tem a mesma visão. Em texto, ele indica a existência de uma “matriz fascista” na política de segurança do governo de São Paulo e que convém, em um “mundo civilizado”, deixar a polícia fora dos campi universitários. “O policial que manda ou sai para reprimir usuários de maconha, por evidente, não tem noção mínima de prioridades e do que seja garantir a tranquilidade social.
Indiciamento

O governador Geraldo Alckmin criticou a atitude dos alunos. “Os estudantes precisam ter aula de democracia, precisam ter aula de respeito ao dinheiro público, respeito ao patrimônio público. Não é possível depredar instituições que foram construídas com o dinheiro da população que paga impostos. Eles precisam ter aula de respeito a ordem judicial”, afirmou.

Os alunos fazem questão de negar que tenham depredado as instalações da Reitoria. Após o cumprimento da ordem de desocupação, cinegrafistas de algumas emissoras de televisão foram chamados para fazer imagens do prédio, e registraram aquilo que, na versão policial, seria a destruição de máquinas e equipamentos promovida pelos jovens.

“Com certeza o ambiente em que fomos abordados não foi o ambiente que deixamos”, argumenta um rapaz detido. “Durante as revistas e tudo o que estava acontecendo, ouvimos por diversas vezes barulho de quebradeira. Agora vieram dizer que tem um monte de coisa danificada. Objetos que colocamos em salas separadas sumiram.”

“Um retrocesso histórico toda essa força bruta na universidade”, queixou-se, pelo Facebook, o jovem de perfil PaulinhoIn Fluxusz, também detido. “Impressionante ver a PM apresentando falsos coquetéis molotov ao lado do meu cachecol”.

Os estudantes atribuem ao reitor a desocupação feita de maneira violenta. Antes do cumprimento da ordem de desocupação, Rodas foi consultado sobre a possibilidade de promover uma nova negociação na quarta-feira (9), e a juíza responsável pelo caso teria deixado a ele a definição sobre esta questão: caso atendesse ao novo chamado por diálogo, a entrada da Tropa de Choque no local seria cancelada – ou postergada.

Rodas, professor da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, chegou ao cargo máximo da USP em escolha indireta, como todos os antecessores. À diferença dos antecessores, porém, foi o terceiro mais votado na lista tríplice escolhida majoritariamente pelos docentes de alta hierarquia. A decisão do então governador José Serra contrariou uma convenção estabelecida pouco após o fim da ditadura como forma de preservar, ainda que parcialmente, a autonomia universitária.

Em sua gestão, tomou outras atitudes polêmicas, como a transformação física da Cidade Universitária, a suspensão e a demissão de funcionários sem justa causa, o incentivo aos cursos pagos dentro da universidade e a colocação de uma placa na qual sinalizava a construção de um monumento em homenagem a vítimas da “Revolução” de 1964, também conhecida como ditadura. Ao firmar o convênio com a polícia, o reitor afirmou que “muita gente” se aproveitava da ausência da corporação para cometer “atividade criminosa”. “Pode reivindicar a saída da PM do campus para poder praticar crimes. Pela legislação, repito, maconha é crime”, disse.

O aluno que conversou com a reportagem sob condição de anonimato recusa as leituras do reitor de que os integrantes da USP acreditam se tratar de uma comunidade que deve ficar livre da Polícia Militar. “A polícia poderia ser aceitável se não coagisse, se não fosse criada a partir da ditadura. Há diversas formas de combater a violência que não seja vigiar o infrator e puni-lo de forma violenta.”

Safatle concorda que há caminhos “mais inteligentes” de se resolver problemas cotidianos do ambiente escolar. “A PM se justifica se for o caso de coibir crimes como o assassinato de um estudante, há alguns meses. Mas ela não está lá para correr atrás de aluno com cigarro de maconha ou para mostrar aos estudantes que a corporação não aceita provocações.”

João Peres / Rede Brasil Atual
Anúncios

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 08/11/2011 por em Uncategorized.

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: