Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Europa em crise, Hotel do Povo de Madri: "Nenhuma família na rua"

Movimento “indignados” invade Hotel em Madrid para abrigar famílias despejadas

Um pequeno comentário: A crise na Europa é dura e atinge principalmente os mais pobres.   Na Espanha o desemprego já atingiu a incrível marca negativa de 21,5%!
O G-20 reune-se em Cannes, França, para discutir medidas para resolver esta crise nos países ricos que pode arrastar o mundo para uma recessão global.


Infelizmente os governos destes países e os organismos internacionais preferem tomar medidas recessivas para tratar o problema, mas felizmente os países em desenvolvimento e o governo brasileiro, estão lá para contrapor esta idéia: que o povo pague sozinho a conta da crise dos ricos…


‘Indignados’ invadem hotel em Madri e abrem quartos para despejados

Um hotel de três estrelas em pleno centro de Madri foi transformado no “Hotel do Povo”. O edifício, que estava abandonado e embargado judicialmente devido a dívidas, foi invadido por jovens manifestantes para servir de abrigo a famílias despejadas pela crise.

O nome “Hotel do Povo” foi escolhido por cerca de 200 jovens ativistas que decidiram ocupar o prédio no fim de outubro, afirmando que não tem sentido que os despejados estejam nas ruas, havendo prédios embargados vazios.

‘Indignados’Os cinco andares com cafeteria, sala de jogos e duas varandas em uma das ruas mais comerciais da cidade estão completamente mobiliados. Apesar do abandono, contam com tapetes vermelhos, decoração e aparelhos de TV. A luz funciona, mas não há água.

Depois de uma assembleia popular aberta a manifestantes nas redes sociais, os jovens autodenominados “Indignados” resolveram limpar o hotel e oferecer os quartos às famílias atingidas pela crise.

A primeira hóspede é uma mulher de 75 anos despejada na semana passada por não pagar as dívidas bancárias. Foi recebida com aplausos e um comitê de boas-vindas na entrada do Hotel Madri (nome original).

Ainda esta semana, mais 16 famílias deverão ser alojadas em dois andares que já foram limpos e condicionados para abrigar os despejados.

Segundo os ativistas, as tarefas de limpeza estão sendo feitas por voluntários que preparam 40 quartos para os próximos dias e já estão organizando a fila de espera para os futuros acolhidos. O objetivo é abrigar os despejados em pior situação social, mas de forma provisória.
Polícia

Os acolhidos não terão prazo para sair do hotel, mas sabem que só poderão permanecer ali até que encontrem outra moradia ou que a polícia intervenha.

Esta intervenção já aconteceu, mas por enquanto não serviu para retomar o controle do hotel.

Dois dias depois da invasão, o representante legal da imobiliária proprietária do imóvel tentou entrar no edifício com cinco policiais. Imediatamente os “Indignados”pediram ajuda nas redes sociais e conseguiram formar um bloqueio humano com centenas de manifestantes na entrada do edifício.

Com cartazes, faixas penduradas nas janelas e sacadas e gritos de “a nova casa do povo”, “essa crise não pagamos nós” e o tradicional “o povo unido não será vencido”, o protesto conseguiu obrigar a polícia a desistir.

O advogado do proprietário se conformou em deixar cartões com seus telefones para que os manifestantes o procurem para negociar.

‘Extrema esquerda’
A Chefatura Superior da Polícia Nacional teve que responder a críticas feitas pelo governo regional de Madri, que acusou a polícia de estar sendo passiva mediante a invasão, que seria uma ação de um movimento de extrema-esquerda.

Segundo uma nota emitida pela polícia, a empresa proprietária do Hotel Madri fez uma queixa na delegacia pela invasão do imóvel, mas “a polícia não vai voltar a intervir enquanto não houver uma resolução judicial do caso”.

O grupo Imobiliário Monteverde, dono do prédio, faliu em 2010, deixando dívidas com empregados e fornecedores equivalentes a R$ 400 milhões.

O processo está parado porque os proprietários do hotel não apresentaram propostas para saldar a dívida.

Segundo a polícia, os donos do imóvel podem pedir aos juízes o despejo dos invasores, mas primeiro tem que enfrentar suas próprias ações penais pelas dívidas do edifício.

Os ativistas madrilenhos já afirmaram que pretendem ampliar a ideia de invadir outros locais embargados pela Justiça para dar abrigo a mais famílias despejadas pela crise, estendendo a cadeia de hotéis do povo por todo o país.

A proposta já tem até um lema: “Nenhuma família na rua!”

Anelise Infante/ BBC Brasil


Você já leu?
Anúncios

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 02/11/2011 por em Uncategorized.

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: