Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

A Crise do RJ nos diários impressos: Manchetes triunfais, leituras embaçadas



Manchete síntese do exagero noticioso feito apenas para vender mais

Após o desempenho “espetaculoso” da cobertura da TV aberta sobre os combates e ataques do crime organizado no Rio de Janeiro, ao vivo, na quinta-feira, sexta-feira começou com outro tipo de campanha jornalística, que não informa e, pior,  ilude os leitores em geral.
Os jornais impressos do Rio de Janeiro trataram o tema com apelo, exageradamente, ufanista, de vitória, digno de algo como o “dia da vitória” dos aliados ao fim da segunda guerra mundial.
Criaram, com suas chamadas e imagens, um clima de “já ganhou” em uma batalha que só está começando. 

O Estado reagiu e está em vantagem, numérica, logística e psicológica, neste momento. 
A batalha será longa ainda, porque o problema do crime organizado na cidade está enraizado, vem de décadas e não será resolvido, simplesmente, ao fim deste conflito no Complexo do Alemão.  Ainda existem outros pontos delicados na cidade e no entorno metropolitano para serem confrontados pelo poder público.  Vender informações com intuito de enganar as pessoas e criar um ambiente que ainda não se vislumbra, demonstra, mais uma vez, que, infelizmente, a grande mídia não se preocupa em informar as pessoas, cumprir seu valioso papel social, colocando os fatos sob análise e discutido, com espaços generosos qualquer contexto social, econômico ou cultural do que se apresenta.
Mas, para variar, gera uma campanha editorial voltada para a venda de exemplares com “manchetes maquiadas” e sem conteúdo significativo para o que momento impõe.
Desperdício de papel e tinta.

O Estado ao confrontar e afugentar aqueles bandidos cumpriu, com sucesso, seu papel repressor, desceu seu punho forte sobre a criminalidade.  A sociedade terá também papel fundamental no pós-conflito do Alemão, porque o fim do crime organizado não está tão próximo, como as manchetes de hoje dos impressos cariocas levam a entender e, categoricamente, induzem as pessoas a crer em algo ainda distante.

A sociedade terá que repensar certezas pouco concretas e decidir se estará ou não disposta a pagar o preço pela paz definitiva.  A paz não é um bem que não exija grandes sacrifícios, tão grandes quanto os sofrimentos do cotidiano de quem mora nas comunidades dominadas pelo tráfico. Todos terão que fazer sua parte.
A paz não é, definitivamente, algo impossível de se alcançar.

O comando da segurança pública do Rio de Janeiro e as autoridades de polícia e forças armadas federais cumpriram bem seus papéis neste episódio, que ainda não findou-se.  Merecem o reconhecimento do povo fluminense.

A leitura destes acontecimentos deve ir muito além das imagens repetidas exaustivamente pelas TV’s abertas na quinta-feira ou pelas manchetes exageradas e artificiais dos jornais impressos de sexta-feira.
A ótica deve favorecer a visualização do todo, para compreender o perverso contexto social que nos trouxe até aqui e que precisa continuar a ser transformado a todo custo, para o bem de todos.

Anúncios

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 26/11/2010 por em Uncategorized.

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: