Palavras Diversas

Desde 2010 observando política, mídia e sociedade

Revista Época e mais uma tentativa de salvar a disputa quase perdida para Serra

Existe alguma relação entre as imagens abaixo: a capa de Época desta semana e os gráficos das pesquisas eleitorais mais recentes?

Pode até parecer que não, mas há uma interrelação intrínseca entre a divulgação dos resultados das pesquisas eleitorais e o lançamento de matérias na imprensa.
A pesquisa Datafolha, ícone da resistência midiática a popularidade da candidatura governista, apresentando pela primeirva vez Dilma Roussef a frente de José Serra, resultou em uma imediata campanha política da Globo, via revista Época, confeccionando uma capa com o firme propósito de aterrorizar o eleitor ainda indeciso ou mesmo aqueles que ainda podem mudar seu voto.
A estratégia da Época e seus consortes parece ser a de lançar dúvidas e temores em um momento crucial da campanha: o início da propaganda no rádio e na TV.  Servindo, claro, de material para ser explorado nas imagens da oposição na TV e em material impresso, fartamente distribuído pelas ruas.
Engana-se quem pensa que a revista acrescenta algo novo, qualquer informação relevante ou algum grande achado histórico, agora revelado.  Nada disso é identificado, mas apenas informações requentadas, já amplamente divulgadas.  Pior, a personagem da capa não foi sequer ouvida pela revista.  Fatos que ela diz não ter mais o que acrescentar.
A capa tem objetivos claramente eleitorais e se configura em prova cabal da má fé de Época e Globo, que, não conseguindo alterar o cenário que se apresenta, tentam de todos os modos nivelar, por baixo, a disputa presidencial. Sórdido exemplo de que, insucesso de Bonner em tirar a vantagem de Dilma no JN, quem sabe uma revista pendurada em milhares de bancas de jornal de centenas de cidades a semana inteira, vinculada a propaganda eleitoral que se inicia na terça-feira,  possa sutir algum efeito? 
O passado dos convertidos aos interesses conservadores não os “condena”
Exemplo maior de tamanha parcialidade e jogada política é o fato de que Serra, militante da AP (ação Popular) e alguns de seus aliados, como o Gabeira (neo-tucano-verde) também terem participado de organizações políticas contrárias a ditadura militar, fatos elogiávies a biografia de ambos.  Mas, porque Época ou Veja não confeccionam capas com chamadas idênticas para investigar seus passados de luta contra a ditadura?  Porque se converteram, a algum tempo, aos ideais políticos mais conservadores e atrasados desse país, são destras figuras expoentes, logo poupados de se desgastarem relembrando atos que participaram e acreditavam e que “o povo não precisa tomar conhecimento ou questionar a respeito”.
Alguns exageram e vão além, constituindo provas de lealdade e conversão radical aos novos aliados, caso de Gabeira: que renega à sua própria pessoa e se transfigura no Ex-Gabeira, como bem ilustrado no debate da Band pelo candidato do PSOL ao governo Fluminense: aquele que foi e não mais o é, sem, talvez, nunca ter sido coisa alguma. 
Figuras aplaudidas pela oposição, insensadas por setores da mídia, mas amplamente rejeitadas pelo eleitorado brasileiro.
Bookmark and Share
Anúncios

Deixe aqui seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 15/08/2010 por em Uncategorized.

Democratização da mídia, apóie!

Seja amigo do Barão!

Digite seu e-mail para seguir este blog e receber notificações de novos posts.

Junte-se a 3.451 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: